domingo, 15 de agosto de 2010

Fim de semana estressante!

Oi, Meninas

Tudo bem? Olha, eu posso até parecer chata com essa história de cachorros, mas quem ama cães como eu deve imaginar o que passei nesse fim de semana.

Bem, a Enya estava na minha mãe desde aquele dia que ela foi atacada pela Meg (terça, 10 de agosto). Aí eu ligava e a minha mãe dizia que ela estava comendo muito pouco, não conseguia latir e parecia que a traquéia estava furada pelos ruídos. Meu pai veio na sexta-feira e disse que ela estava mais ou menos. Aí liguei pra minha mãe e ela confirmou que a cadela realmente não parecia muito bem, mas que comia pedacinhos de carne.

Quando foi a tarde, a minha mãe me ligou: Ó, a Enya não tá bem mesmo. Eu coloquei os remédios no meio da carne, bem pequenininho e ela virou a cara e nem a própria saliva ela engole.

Aí liguei pro veterinário que esta assistindo ela e contei o que estava acontecendo e ele indicou uma clínica de diagnósticos lá em São José, pra tirar umas radiografias.

Aí a minha mãe levou ela e fizeram mais radiografias até com contraste via oral. Depois a minha mãe veio pra cá com ela e com os exames. O veterinário veio, viu o exame e disse que o traqueia estava intacta, mas ela sofreu uma lesão no esôfago, que inchou tanto que fechou a passagem de qualquer coisa, até de ar que acumula no estômago. Também deu pneumonia aspirativa. E uma baita febre.

Aí improvisamos um centro de atendimento na minha sala. Coloquei a minha mesa da varanda pra dentro, ele amarrou o soro na janela, aplicou um mega antibiótico pra desinchar o esôfago,

Aplicou penicilina e mais uns remédios e ficou aqui umas 4 horas vigiando. Ontem ela ainda não comia nem bebia nada. Ele veio de novo e aplicou ranitidina pra aliviar a acidez do estômago e de tarde ela deu umas lambidas leves no leite. Demos remédio via oral e ficamos uma hora com ela no colo em pé pra não voltar o remédio, porque ela esta sem o movimento que empurra a comida pra baixo. Então ele tem que literalmente escorregar garganta abaixo.

A minha mãe que sabe aplicar injeção subcutânea em cães, aplicou penicilina e mais ranitidina, a noite, como o veterinário tinha recomendado.

Hoje ela acordou melhor, sem febre e até latindo rouco, mas latindo. Está fazendo "doce" pra comer, mas leite com miolo de pão ela comeu um pouco. O veterinário veio de novo e medicou ela mais um pouco e parece que está fora de perigo, e que é só seguir com a medicação por mais uma semana.

Ela pode ficar com sequelas de não voltar os movimentos peristálticos do esôfago e ela ter que comer comida pastosa pro resto da vida, podendo dar mais pneumonia. Mas ele disse que em 80% dos casos, esôfago volta a funcionar normalmente e eu espero que ela esteja dentro dessa porcentagem.

Não adianta, meninas, eu nervosa como mesmo. Aí sexta e sábado foi tudo pras cucuias. Hoje eu ainda estou tentando me controlar. A minha mãe voltou pra casa dela com a Enya a tiracolo, mas já estou mais calma. Consegui dormir que nem pedra essa noite. O veterinário admirou a calma da cachorra e como ela se comporta que nem gente, super mimada por todos, aí ele brincou: "O que você pensa que é, cachorra?" E a minha mãe respondeu por ela: "E quem disse que eu sou cachorro?" rsrsrs

Bem, a minha mãe deixou bem claro que eu vou ter que escolher entre as duas, porque o risco é muito grande de um dia ela escapar de novo pro quintal. Agora estou rezando pra achar quem ame cachorros como eu, abrace e converse com eles, pra eu dar a Meg, que é super carinhosa com a gente e tem só três anos.

Amanhã começa uma nova semana e espero que tudo fica mais calmo. Imaginem o quanto não ficou essa brincadeira até agora?!

Beijos


2 comentários:

Fabi Sereia... disse...

Oi Rê, obrigada por suas palavras lá no blog!!Um abração e volte sempre!

Desafiando a Balança disse...

Oi Rê
nem me fale viu! a minha tb foi dificil d+
mas vamos a luta, que no final teremos vitória... um dia de cada vez...
boa semana
bjs